Escola de Governo

Desenvolvimento, Democracia Participativa, Direitos Humanos, Ética na Política, Valores Republicanos.

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

E o capitalismo morrerá de overdose?

E-mail Imprimir

Para Wolfgang Streeck, um dos grandes sociólogos contemporâneos, sistema tornou-se frágil ao eliminar adversários que o obrigavam a se reformar. Mas não há, ainda, projeto alternativo — por isso, virão tempos tensos…

A entrevista é de Giuliano Battiston, publicada por Outras Palavras, 17-07-2017. A tradução é de Inês Castilho.

Wolfgang Streeck é diretor do Instituto Max Planck para Pesquisa Social em Colônia e professor de sociologia na Universidade de Colônia. Entre seus livros estão “Buying Time: The Delayed Crisis of Democratic Capitalism”.

O diagnóstico de Wolfgang Streeck, diretor do Instituto Max-Planck de Colônia, é implacável: “A crise atual não é um fenômeno acidental, mas o auge de uma longa série de desordens políticas e econômicas que indicam a dissolução daquela formação social que designamos capitalismo democrático”.

“O capitalismo está morrendo de overdose de si mesmo.” Esta é a tese do sociólogo Wolfgang Streeck, diretor do Instituto Max-Planck de Colônia, um dos centros de pesquisa mais importantes da Europa. Em seu último livro, Como Acabará o Capitalismo? Ensaios sobre um Sistema Fracassado, Streeck conduz um diagnóstico impiedoso sobre a patologia do capitalismo democrático, aquela formação social particular que, no pós-guerra, havia alinhado democracia e capitalismo em torno de um pacto social que lhe conferia legitimidade. Por volta dos anos 1970, com o fim do crescimento econômico, e depois, com o avanço da revolução neoliberal, aquele pacto social começa a acabar. O capital avança, a democracia recua. Ele atropela as limitações políticas e institucionais que haviam contido o “espírito animal” do capitalismo. Que vence — mas vence demais… Hoje, a revolução cumprida, o capitalismo está em ruínas porque teve muito sucesso, diz Wolfgang Streeck.

Eis a entrevista.

 

Travestis e transexuais poderão solicitar inclusão do nome social no CPF

E-mail Imprimir

Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil

Transexuais e travestis poderão ter o nome social incluído no documento de Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). Para isso, basta que compareçam a uma unidade de atendimento da Receita Federal e peçam a inclusão. O cadastro será feito imediatamente e o nome social passará a constar no CPF, acompanhado do nome civil.

As orientações foram divulgadas hoje (20) pela Receita Federal após a publicação de instrução mormativa sobre a questão no Diário Oficial da União desta quinta-feira (20). O nome social constará dos documentos “Comprovante de Inscrição” e “Comprovante de Situação Cadastral” no CPF.

O nome social é a designação pela qual a pessoa travesti ou transexual se identifica e é socialmente reconhecida.

Decreto publicado em abril do ano passado, assinado pela então presidente, Dilma Rousseff, estabelece que os órgãos e as entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, em seus atos e procedimentos, devem adotar o nome social da pessoa travesti ou transexual, de acordo com seu requerimento. O decreto estabeleceu prazo de um ano para órgão e entidades se adequarem à norma. A instrução da Receita visa cumprir a determinação.

O decreto assegura a travestis e transexuais o direito de requerer, a qualquer momento, a inclusão de seu nome social em documentos oficiais e nos registros dos sistemas de informação, de cadastros, de programas, de serviços, de fichas, de formulários, de prontuários e congêneres dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional.

Edição: Maria Claudia

 

66% das micro e pequenas empresas não pretendem investir, aponta SPC

E-mail Imprimir

Foto: Agência Brasil

 

Cúpula do Mercosul busca pacto com a Aliança do Pacífico

E-mail Imprimir

Da Agência Xinhua


Logotipo do Mercosul prioriza a constelação do Cruzeiro do Sul Foto: Portal do Mercosul/Divulgação

A reunião de cúpula das nações do Mercosul iniciada ontem (19) na cidade de Mendoza, no centro-norte da Argentina, foi marcada por um seminário que analisou a possibilidade de promoção de um acordo comercial do bloco com a Aliança do Pacífico, que reúne o México, o Chile, a Colômbia e o Peru. A informação é da agência chinesa Xinhua.

O pacto do Mercosul com a Aliança do Pacífico seria analisado em paralelo com o que está sendo negociado com a União Europeia. "O fortalecimento das alianças entre os diferentes blocos comerciais será um dos principais pontos da agenda na cúpula do Mercosul," disse a agência de notícias mexicana Notimex.

 

Redução no passe livre estudantil é alvo de novos protestos em São Paulo

E-mail Imprimir

"A gente acredita num sistema educacional muito além das salas de aula", diz presidenta da União dos estudantes de SP

Rafael Tatemoto - Brasil de Fato

As mudanças na utilização do passe livre estudantil, anunciadas pela gestão de João Doria (PSDB), foram alvo de novos protestos nesta terça-feira (18). As ações ocorreram nas avenidas Paulista e Nove de Julho, na região central de São Paulo (SP). De acordo com estimativas da PM (Polícia Militar), cerca de 500 pessoas participaram da manifestação.

 

É o bem de uso comum do povo, estúpido!

E-mail Imprimir

O chato de ser um velhinho é que a gente já viu o varre-varre vassourinha de Jânio Quadros, o caçador de marajás Collor e sabe no que essas coisas vão dar

Lucio Gregori

Quando da eleição de Clinton em 1992, James Carville estrategista da campanha, cunhou o dito," é a economia , estúpido!", para evidenciar qual era ou deveria ser, a questão central na disputa eleitoral.

 

ENTRE EM CONTATO COM A ESCOLA!

Telefones: (11)3256-6338 / (11)3257-9618

E-mail: secretaria@escoladegoverno.org.br

ENDEREÇO:

Edifício da Ação Educativa - Rua General Jardim, 660 (sala 72), Vila Buarque, São Paulo (SP)

Veja no mapa


Importante

Sugestões para o Site
Compartilhe suas sugestões para melhorarmos o site da Escola de Governo.

Campanhas






Calendário de Atividades

loader

Enquete

Considerando-se que, no Brasil, o povo é o soberano e a Constituição Federal é a lei maior, você acredita que seria mais democrático se todos os Projetos de Emenda Constitucional (PECs) fossem obrigados a passar por REFERENDO antes de entrar em vigor?
 

Visitantes Online

Nós temos 930 visitantes online