Escola de Governo

Desenvolvimento, Democracia Participativa, Direitos Humanos, Ética na Política, Valores Republicanos.

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Estão abertas as inscrições para os dois cursos regulares da Escola de Governo para 2017!

E-mail Imprimir

A Escola de Governo, que completa seus 25 anos de existência em 2016, abre hoje, dia 14/12, as inscrições para o curso Formação de Governantes e Formação Cidadã. Sendo os dois cursos regulares, ambos têm o objetivo de fortalecer a democracia participativa, os valores republicanos, a constante defesa dos direitos humanos, o desenvolvimento nacional e a ética – os grandes cinco pilares defendidos pela Escola de Governo, os quais se mostram cada vez mais necessários tendo em vista a atual conjuntura política e social.

O curso Formação Cidadã tem suas aulas ministradas uma vez por semana, 3a feira das 19h30 às 21h30, perfazendo um total de aproximadamente 15 aulas. As aulas são expositivas seguidas de debate e existe a possibilidade de os alunos participarem das atividades complementares (obrigatórias) e entrevistas (facultativas). O curso é gratuito e devido à grande procura por vaga é feita uma seleção a partir do preenchimento da ficha de inscrição. É um curso introdutório, pouco recomendado para as pessoas que tenham qualificação acadêmica (pós graduação) ou já tenha grande experiência e atuação política no campo democrático (nestes casos indicamos o curso Formação de Governantes - veja abaixo). Curso gratuito. São 90 vagas disponíveis.

Para se inscrever clique aqui.

Já o Formação de Governantes, o nosso primeiro e principal curso, tem suas aulas durante às 2as. e 3as. feiras das 19h30 às 21h30, contando com um corpo docente extremamente qualificado e reconhecido, debates entre os alunos, entrevistas com personalidades públicas e trabalhos de campo (estas atividades complementares acontecem uma vez por mês, em um dia do final de semana em geral dos meses de março, abril, maio, agosto, setembro e outubro).

São dois módulos, um em cada semestre. O primeiro módulo “Bases para a Cidadania Ativa” acontece no primeiro semestre do ano e no segundo semestre “Políticas Públicas”. O curso é pago e tem o valor de 11 parcelas de R$ 539,00. São 60 vagas disponíveis.

Observação: Bolsas são oferecidas para ex-alunos do curso Formação Cidadã que receberam o certificado de conclusão e para militantes de entidades parceiras (contate nossa secretaria para mais informações).

Para se inscrever clique aqui.

 

Mapa da Desigualdade revela as diferentes cidades dentro da capital paulista

E-mail Imprimir

POR ODED GRAJEW*

São Paulo é a cidade mais rica do Brasil. Ao mesmo tempo, apresenta vergonhosos indicadores de desigualdade: dos 96 distritos da cidade, 31 não mantêm sequer um leito hospitalar; 34, nenhum parque; e em 36 não há uma biblioteca pública sequer. A diferença entre os indicadores do melhor e do pior distrito chega, em inúmeros casos, a milhares de vezes. A mortalidade infantil é 14,85 vezes mais grave no Pari do que em Pinheiros. Um novo dado é bastante emblemático e assustador: o tempo médio de vida do morador de Cidade Tiradentes é de 53,85 anos; no Alto de Pinheiros, chega a 79,67.

Dados como esses ganharam notabilidade e espaço na mídia e nas discussões públicas graças a uma iniciativa da sociedade civil paulistana: o Mapa da Desigualdade de São Paulo, divulgado anualmente pela Rede Nossa São Paulo. Com a proposta de revelar a cidade por meio de suas diferenças regionais (alcançando a menor unidade administrativa possível), a ferramenta apresenta uma seleção de indicadores técnicos essenciais por distrito e aponta as diferenças entre os melhores e os piores – a essa diferença foi dado o nome de “desigualtômetro”, ou seja, quantas vezes o indicador da região com o pior indicador é pior em relação ao indicador da melhor região.

 

Uma economia para os 99%

E-mail Imprimir

Chegou a hora de promovermos uma economia humana que beneficie todas as pessoas, não apenas algumas.

Apenas oito homens possuem a mesma riqueza que os 3,6 bilhões de pessoas que compõem a metade mais pobre da humanidade. Na última camada, uma em cada 9 pessoas vive abaixo da linha da pobreza, buscando sobreviver com menos de U$ 2 por dia.

Esses são apenas alguns dos dados revelados pelo relatório Uma economia para os 99%, lançado em 16 de janeiro pela Oxfam. O lançamento acontece um dia antes do início do Fórum Econômico Mundial, em Davos, onde estão reunidos representantes das maiores e mais ricas empresas do mundo.

 

“Criamos o discurso politicamente correto, mas nossa sociedade continua violenta”

E-mail Imprimir

Para a especialista, os crimes recentes, como a chacina de Campinas, mostram que as políticas para inibir a violência não foram efetivadas, apesar da indignação geral

A manhã deste 2 de janeiro, o primeiro dia útil de 2017, começou em Campinas sob forte tristeza e transtorno, com o sepultamento das 12 vítimas da chacina provocada pelo técnico de laboratório Sidnei de Araújo na noite de Réveillon . Antes da virada do ano, três outros crimes violentos já tinham ganhado as manchetes dos jornais brasileiros, sensibilizando o país em datas consideradas sagradas : o espancamento até a morte de um vendedor ambulante do metrô em São Paulo no dia do Natal, o estupro e assassinato de uma jovem num bar da zona leste paulistana dias antes, e o assassinato do embaixador grego pelo amante de sua esposa e um cúmplice no Rio de Janeiro, no dia 26.

 

‘Despreparo do homem heterossexual branco para lidar com fracasso o leva à violência’

E-mail Imprimir

por: André Cabette Fábio

atualizado (09/Jan 16h31)

Em entrevista ao 'Nexo, o pesquisador Eric Madfis afirma que homicídios em massa são uma maneira de “reafirmar a própria masculinidade” para quem “falhou em fazê-lo de outras formas”

FOTO: NAOMI/CREATIVE COMMONS

O noticiário é periodicamente pontuado por relatos de chacinas - homicídio em que há ao menos três vítimas. A violência tende a chocar particularmente quando não há nenhum outro crime associado, como assaltos ou sequestros.

Em um ensaio publicado em 2014 na revista acadêmica “Homens e Masculinidades”, o professor Eric Madfis, do departamento de Trabalho Social e Justiça Criminal da Universidade de Washington Tacoma, busca traçar o perfil dos autores dessa modalidade de assassinato e compreender o que os motiva nos Estados Unidos, onde tiroteios em escolas, centros comerciais e residências ocorrem de forma periódica.

 

Presidente Temer e o tráfico de PCC, CV e a terra de Pablo Escobar

E-mail Imprimir

Uma leitura dos massacres de Manaus e Roraima, por Carlos Wagner, repórter, para os Jornalistas Livres


 

O governo do presidente Michel Temer (PMDB) ou não tem a confiança dos serviços de inteligência do Brasil – Forças Armadas, Polícia Federal (PF) e polícias militares – e, portanto, não está recebendo as informações corretas sobre a lógica que move a guerra das facções nas penitenciárias, ou não tem gente especializada para entender os dados que está recebendo.

Esta é a leitura que se faz das declarações feitas por Temer de que teria sido um “acidente pavoroso” o enfrentamento entre o Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, e a facção Família do Norte (FDN), braço do Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, que resultou no massacre de 56 presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) de Manaus (AM).

 

Quatro cartas de paulistanos para o novo prefeito de São Paulo

E-mail Imprimir

EL PAÍS convidou representantes de diferentes setores da sociedade para dizer o que desejam e sonham para a gestão João Doria

Por jornal EL PAÍS

A gestão de João Doria (PSDB) à frente da prefeitura de São Paulo iniciou-se no primeiro dia do ano já às voltas com questões como mudanças na Virada Cultural e a redução - ou não - da velocidade nas marginais, mostrando mais uma vez a complexidade que é comandar a maior cidade do país.

Para acompanhar o prefeito em seus primeiros dias no cargo, o EL PAÍS pediu a quatro representantes de setores diferentes escrevessem uma carta narrando suas expectativas e propondo soluções para a nova administração. Padre Julio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua, Beth Beli, do bloco Ilú Obá De Min, Ana Carla Fonseca, economista, e Carlos Aranha, coordenador de Mobilidade Urbana da Rede Nossa São Paulo, enviaram suas sugestões.

Confira as quatro cartas publicadas pelo EL PAÍS:

'Seu maior desafio será o de sair da bolha, prefeito'
Carlos Aranha, coordenador de Mobilidade Urbana da Rede Nossa São Paulo

'Esperamos que as práticas higienistas sejam coisas do passado'
Padre Julio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua

'Ouça as palavras de uma mulher negra'
Beth Beli, do bloco Ilú Obá De Min

'Entenda a vocação criativa de São Paulo sem esquecer da informalidade'
Ana Carla Fonseca, economista

 

Inscrições para o curso Formação de Governantes 2017!

Venha fazer parte da 26ª turma do curso!

Clique aqui e inscreva-se!

O curso tem por objetivo trabalhar as bases para a Cidadania Ativa, aprofundar os conhecimentos acerca das Políticas Públicas e contribuir para que a/o aluna/o tenha uma visão generalista - e não especialista e parcial - da realidade política, social e econômica do Brasil. Dividido em dois módulos semestrais: “Bases para a Cidadania Ativa” (1° semestre) e “Políticas Públicas” (2° semestre). É pago, anual e oferecido às segundas e terças feiras, das 19h30 às 21h30.


Participe do Curso Formação Cidadã 2017!

As inscrições estão abertas a partir de 14 de dezembro

Clique aqui e inscreva-se!

Curso introdutório que visa instrumentalizar, com reflexões contemporâneas elementares e discussões práticas, indivíduos, representantes de ONGs e movimentos sociais para a atuação política cotidiana. É gratuito, semestral e oferecido às terças feiras, das 19h30 às 21h30.


ENTRE EM CONTATO COM A ESCOLA!

Telefones: (11)3256-6338 / (11)3257-9618

E-mail: escolagovernosp@uol.com.br

NOVO ENDEREÇO:

Edifício da Ação Educativa - Rua General Jardim, 660 (sala 72), Vila Buarque, São Paulo (SP)

Veja no mapa


Importante

Sugestões para o Site
Compartilhe suas sugestões para melhorarmos o site da Escola de Governo.

Campanhas






Calendário de Atividades

loader

Enquete

Considerando-se que, no Brasil, o povo é o soberano e a Constituição Federal é a lei maior, você acredita que seria mais democrático se todos os Projetos de Emenda Constitucional (PECs) fossem obrigados a passar por REFERENDO antes de entrar em vigor?
 

Visitantes Online

Nós temos 133 visitantes online